Autor

Minha foto

Arquiteto e Urbanista, sócio fundador do escritório FAUST arquitetura em 2005, trabalhando no mercado de arquitetura, engenharia e design. Graduado pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC em 2004.Pós-graduado em Espaço celebrativo litúrgico e arte-sacra na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia [FAJE].
Assina a autoria de 113 Igrejas, 22 salões paroquiais, 18 centros de evangelização, 5 sedes de ação social e 8 casas paroquiais, em 13 estados, 72 cidades no Brasil e no México. Além disso participou em outros projetos e obras como consultor. Ministra palestras e Cursos em Arquitetura Sacra. Escreve artigos para a revista Paróquias e Casas Religiosas de São Paulo.


CONTATO

arq.Eduardo.Faust | CAU A44041-8 | FAUST arquitetura | CAU 33490-1

■ Cel. whatsapp | 48 | 999779388 EMAIL | contato@eduardofaust.com
SITE | eduardofaust.com
■ FACEBOOK | facebook.com/FAUST.eduardo

segunda-feira, 10 de julho de 2017

■ Igreja Profeta Elias - murmúrio de uma brisa ligeira. | Curitiba PR | Autor Arq Ed.Faust

■ Localização | Curitiba PR
■ Arquidiocese de Curitiba – Paróquia Profeta Elias
■ Pároco | Frei Edmilson Carvalho Ocarm
■ Autor | Arq Eduardo Faust
■ Projetos | FAUST arquitetura & engenharia
■ Equipe | Arq Egvar; Arq Gustavo; Arq Renato



Redemoinho que leva Elias - o manto que cai - o murmúrio de uma brisa ligeira.




■ Localização | Curitiba PR
■ Arquidiocese de Curitiba – Paróquia Profeta Elias
■ Pároco | Frei Edmilson Carvalho Ocarm
■ Autor | Arq Eduardo Faust
■ Projetos | FAUST arquitetura & engenharia
■ Equipe | Arq Egvar; Arq Gustavo; Arq Renato


Análise

A igreja foi desenhada respeitando o terreno de esquina, dando ênfase a torre localizada no vértice agudo iniciando um eixo simétrico que liga a torre ao altar. O uso de materiais brutos como o concreto aparente e a madeira, dão identidade a edificação e nos remete a caverna de Elias – “murmúrio de uma brisa ligeira“.




Proposta

A expansão da área interna foi um desafio pois não poderíamos perder o desenho simétrico da edificação, para aproveitar ao máximo o espaço as sacristias, os lavabos e outras salas foram deslocadas para uma construção anexa.


Em formato de semicírculo [com o altar e cruz no ponto central] a assembleia foi desenhada colocando os fiéis em torno da mesa da eucaristia para o grande banquete pascal. Nela foi calculada uma iluminação indireta, amarela, que somado aos materiais naturais busca aconchego e silêncio, convidando a oração quem adentra a Igreja.



Seguindo instruções do concílio vaticano II e a linguagem brutalista do edifício o mobiliário litúrgico foi desenvolvido em pedra, este mármore natural mostra a sua verdade estética e a Verdade que as peças sagradas devem nos inspirar.

O peso da pedra nos remete ao peso da Palavra em nossas vidas. Em contraste ao peso da pedra as linhas são delicadas, leves e tem relações com alguns números simbólicos que fazem parte da história da arte sacra.



No altar o tampo é sustentado por um elemento central e outros seis somando sete peças – 7 o número da perfeição. Suas linhas enfatizam o formato de mesa do altar do sacrífico.



Seguindo o mesmo conceito a parte superior que sustenta o evangeliário é estruturado por quatro peças – os 4 evangelistas e a pia batismal segue a tradição do formato octogonal – 8 do oitavo dia.


As imagens de NS do Carmo, Profeta Elias e São Tiago Maior assim como o mobiliario citado estão envoltos por estruturas leves e elegantes de formato livre simbolizando: o redemoinho que leva Elias; o manto que cai e o murmúrio de uma brisa ligeira.