Autor | Arquitetura Sacra

Minha foto

Arquiteto e Urbanista, sócio fundador do escritório FAUST arquitetura (2005). 

Graduado pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC (2004). Pós-graduado em Espaço celebrativo-litúrgico e arte-sacra na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia de Minas Gerais FAJE (2010). 

Assina a autoria de 128 Igrejas, 50 salões paroquiais, 46 centros pastorais, 12 sedes de ação social, 12 casas paroquiais e 11 secretarias paroquiais, em 13 estados, 83 cidades no Brasil e no México. 

Também participou em outros projetos e obras como consultor. Ministra palestras e Cursos em Arquitetura Sacra. Escreve artigos para a revista Paróquias e Casas Religiosas de São Paulo.

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

■ Artigo Revista Arquitectura Y Cultura Universidad Santiago de Chile

"Hola Eduardo, ¿cómo estás?

Te cuento que estamos preparando el noveno número de nuestra Revista A+C, Arquitectura y Cultura.

Hemos decidido que este noveno número se constituya por medio de invitaciones. Es por ello, que te invito a enviarnos un texto inédito tuyo para que lo publiquemos en este nuevo número.

Artículos de investigación. Son producto de investigación científica o tecnológica, proyectos de investigación, que sean un aporte a la disciplina y que no hayan sido publicados anteriormente."

"Agradezco su valioso aporte para la edición de este número especial."

Muy atentamente,
Dr. Arq. Rodrigo Vidal Rojas
Profesor Titular
Editor Revista A+C
Universidad de Santiago de Chile














____________________________________


Artigo publicado em texto:


Sobre la práctica de la construcción sacra católica:
La arquitectura moderna bajo la luz del Concilio Vaticano II na Iglesia Santo Antonio — Minas Gerais, Brasil
   
Resumen
En este texto coloco el resumen de algunas reflexiones que desarrollé en mis 13 años en la práctica de la arquitectura sacra, y de una forma didáctica formé 3 premisas que orientan mi trabajo. Vasto es el acervo edificado de arquitectura moderna y contemporánea exitosa, con respuestas positivas tanto de la academia de arquitectos como de los usuarios. Lo mismo no se puede hablar de la arquitectura sacra católica, el descarte de los diecisiete siglos de evolución tipológica no fue y sigue sin ser bien aceptado por los sacerdotes. Los concilios ecuménicos son encuentros de larga duración donde los bispos de la Iglesia Católica resuelven cuestiones doctrinales y disciplinares. Al buscar referencia en la historia de la arquitectura católica el arquitecto deberá actualizar estas influencias a la luz del Concilio Vaticano II de 1964. En Brasil la Iglesia católica esta separada del estado, convirtiéndose en una institución privada mantenida en gran parte por donaciones, siendo así cada nueva construcción es financiada por los habitantes de la localidad, el presupuesto bajo es la realidad de las nuevas edificaciones, mantener la nobleza y la belleza del espacio con simplicidad es otro desafío de la arquitectura post-conciliar. La Iglesia Santo Antonio en la ciudad de Belo Horizonte en la provincia de Minas Gerais en Brasil, es una tentativa de aplicación de las tres premisas citadas.


On the practice of the catholic construction:
The modern architecture under the light of the Second Vatican Council in St. Anthony’s Church — Minas Gerais, Brazil

Abstract
In this paper I summarize some of my reflections in these thirteen years of practice in sacred architecture. Strictly with didactic ends, I also present three premises that guide my work. On these days, one have not to look further to find successful buildings in modern and contemporary architecture, with positive responses from both the academy and the users. Still, the same cannot be said of Catholic sacred architecture. This situation was not an accident, it wouldn’t happen without the break imposed by modern and contemporary architecture with all previous tradition. Catholic priests, nevertheless, were never happy with the oblivion of seventh centuries of tradition. In long-term meetings, called Ecumenical Councils, Catholic Church’s Bishops argue and resolve doctrinal and disciplinary issues, between then, are a set of regulations to Catholic sacred architecture. I propose that the proper way to work this first problem, is by updating the references of Catholic architecture’s history, through a reading of modern and contemporary architecture in the light of the Second Vatican Council. A second issue, arises from the challenges of funding. In Brazil, the Catholic Church is no longer part of the state, they are now private institutions, maintained largely by donations. Each new construction is funded by local communities. As a result, low budgets are the reality to new buildings. What, thus, presents these second challenge to post-conciliar architecture: how to maintain beauty and nobility with simplicity. I the midst of theses challenges, the project of the St. Anthony’s Church in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil, is a proposal to solve these problems through the application of the aforementioned principles.



Sobre a prática da construção sacra católica:
A arquitetura moderna sob a luz do Concílio Vaticano II na Igreja Santo Antônio — Minas Gerais, Brasil.

Resumo
Neste texto coloco o resumo de algumas reflexões que desenvolvi nos meus 13 anos na prática da arquitetura sacra, e de uma forma didática formatei 3 premissas que orientam meu trabalho. É vasto o acervo edificado de arquitetura moderna e contemporânea bem-sucedida, com respostas positivas tanto da academia de arquitetos quanto dos usuários. O mesmo não se pode falar da arquitetura sacra católica, descartar os dezessete séculos de evolução tipológica não foi e segue sem ser bem aceito pelos sacerdotes. Os concílios ecumênicos são encontros de longa duração aonde os bispos da Igreja Católica resolvem questões doutrinais e disciplinares. Ao buscar referência na história da arquitetura católica o arquiteto deverá atualizar estas influências a luz do Concílio Vaticano II de 1964. No Brasil a Igreja católica não faz mais parte do estado, tornando-se uma instituição privada mantida em grande parte por doações, sendo assim cada nova construção é financiada pelos moradores da localidade, orçamento baixo é a realidade das novas edificações, manter a nobreza e a beleza do espaço com simplicidade é outro desafio da arquitetura pós-conciliar. O projeto da Igreja Santo Antônio na cidade de Belo Horizonte no estado de Minas Gerais no Brasil, é um caso de aplicação das premissas citadas.



Introdução
Arquitetura de 17 Séculos e o Paradigma Modernista

No ano de 313 o édito de Milão anunciava o fim da perseguição ao cristianismo e que o seu imperador Constantino era cristão. A partir daí as basílicas (casa do Basileu) foram convertidas no local do culto a cristo. A linguagem arquitetônica destas primeiras basílicas foi relida ao longo dos séculos (românico, gótico, renascimento, barroco, etc.), sem romper traços principais, em que facilmente um usuário recém-chegado a uma localidade possa identificar o edifício eclesial.

No final do XIX e início do XX a revolução industrial e como consequência o movimento moderno revolucionou a forma de se construir, arquitetos iniciam uma nova forma de fazer arquitetura negando a arquitetura produzida até então. “A forma segue a função”, “o menos é mais” e “adorno é crime” são alguns dos dogmas que orientam este movimento.


Academia de Arquitetura em Desencontro com Sacerdotes e Fiéis

Igreja católica como instituição mais antiga do mundo com 17 séculos de identidade arquitetônica não se adequou bem a esta negação do passado, implícita no movimento moderno. Igrejas foram construídas excluindo elementos arquitetônicos que até então identificavam uma Igreja, sendo suprimidas: absides, torres, colunatas; e esquecidos princípios compositivos como: simetria, formato cruciforme, centralidade do altar. Simbologias baseadas em exegeses bíblicas são substituídas por conceitos do arquiteto. Esta negação trouxe um afastamento dos leigos e dos sacerdotes sobre a arquitetura moderna.

A Igreja São Pedro (Campos de Jordão, São Paulo, Brasil) projetada por Paulo Mendes da Rocha é a obra vencedora do Prêmio Pritzker de 2006, dando abertura para concluirmos que para a academia é uma arquitetura sacra modelo. Poucos fiéis a reconhecem como Igreja, em geral a acham muito feia e a relacionam com algo que se pareça a um comércio e não a um templo. De outro lado temos o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (Aparecida, São Paulo, Brasil) que para o clero é o exemplo de uma bela Igreja, e para arquitetos é um pastiche, um neorromânico mal desenhado.


Igreja São Pedro. Campos do Jordão, SP - Brasil. (Giantomasi, 2015)

Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Aparecida, SP - Brasil. (Acervo Arq. Eduardo Faust)

Este caso não é isolado, quando pergunto a opinião de fiéis e sacerdotes sobre igrejas publicadas em revistas de arquitetura, a grande maioria não aprecia.

O meu diagnóstico até aqui, é que ao contrário de outros usos como universidades, bibliotecas e museus, o esquecimento dos 17 séculos de história não funcionou na arquitetura sacra. Um edifício igreja precisa de referenciais estéticos/simbólicos para ser visto como tal por seus usuários.

Nós arquitetos podemos interpretar estes quase 100 anos de afastamento de uma forma arrogante, utilizando o confortável argumento de que “o público” não evoluiu para entender as obras. Ou perceber que falhamos — que a arquitetura sacra é um caso especial no modernismo e além dele.

Assim defino a premissa número 1: Continuar a linha do tempo evolutiva da arquitetura sacra. Inovar mantendo a linguagem e os conceitos básicos.



As leis da arquitetura sacra católica

O arquiteto antes de projetar qualquer obra deve consultar e seguir normativas legais impostas pelo estado, na Igreja acontece o mesmo, a consulta aos documentos da Santa Sé, da conferência de Bispos e livros de Liturgistas respeitados formam a base para entender o uso da edificação.

Os concílios ecumênicos são encontros de longa duração aonde os bispos da Igreja Católica resolvem questões doutrinais e disciplinares.

Os documentos gerados no início dos anos 60 do século XX no Concílio Ecumênico Vaticano II indicam alterações na forma de celebrar nos templos católicos. Adequação de espaços litúrgicos a luz do concílio vem sendo feitas desde então. O entendimento das formas de celebrar pré-concilio vaticano II também são importantes pois as adequações respeitam a evolução da liturgia e trazem referências do início do cristianismo.

Igrejas executadas antes de 1964 seguiam as orientações do concílio de Trento de 1563, ao buscar referência na história da arquitetura católica o arquiteto deverá atualizar estas influências a luz do Concílio Vaticano II.

A premissa número 2: espaços devem obedecer às premissas do Concílio Vaticano II.


Obras comunitárias orçamentos comunitários

O Brasil assim como grande parte dos países da América do Sul, teve uma larga migração do campo para a cidade nos anos 60 e 70, gerando uma grande demanda por habitações. Neste período, pela ausência de recursos, Igrejas improvisadas foram erguidas. Hoje, a mesma população possui recursos para edificar seus templos, porém, ao contrário dos grandes mecenas da Florença renascentista, o poder aquisitivo é médio/baixo, sendo um grande desafio criar muito com pouco.

Assim firmo a premissa número 3: Fazer muito com pouco, criar belas obras com baixo custo.


Resumo das premissas

01: Continuar a linha do tempo evolutiva da arquitetura sacra. Inovar mantendo a linguagem e os conceitos básicos.
02: Os espaços devem obedecer às premissas do Concílio Vaticano II.
03: Fazer muito com pouco, criar belas obras à baixo custo.


Métodos
Por uma arquitetura sacra contemporânea

Quando fui contratado em 2005 para fazer minha primeira Igreja, levei imagens de Igrejas contemporâneas famosas para apresentar aos clientes (graças a falta de um portfólio próprio) para melhor entender suas aspirações com o projeto de sua nova igreja. Minha surpresa foi ver que não gostaram de nada, porém me colocaram como referência algumas Igrejas antigas ou a pequena igreja da paróquia ao lado.

Este caso me motivou a fazer regularmente este teste com comunidades ao qual estou projetando suas igrejas. Hoje com mais de uma centena de projetos de Igrejas posso afirmar que esta primeira comunidade não era exceção.

Neste texto está o resumo de algumas reflexões que desenvolvi nos meus 13 anos na prática da arquitetura sacra, que estão resumidas em 3 premissas que orientam meu trabalho. Vejamos a seguir uma obra estruturada nestas 3 premissas.


Resultados e discussão

Venda Nova é um bairro antigo da cidade de Belo Horizonte, a Igreja original foi demolida a cerca de 20 anos e desde então o povo celebra em um espaço improvisado. Com grande destaque na paisagem urbana o terreno é isolado de fronte para a praça Santo Antônio na avenida mais importante do bairro.

Aos fundos da Igreja um edifício possui todas funções administrativas, educacionais e recreativas, assim a nova obra pode focar na construção do templo com suas capelas, sacristias e um estacionamento subterrâneo.

Acervo Arq Eduardo Faust.

Acervo Arq Eduardo Faust.
Utilizei este projeto para amparar minhas premissas, pois foi extremamente bem aceito pelos fiéis na apresentação, foi aprovado com elogios pelo Arcebispo de Belo Horizonte Dom Walmor Oliveira de Azevedo e vem sendo solicitado por estudantes de arquitetura como estudo de caso para seus trabalhos acadêmicos. Estes três pontos me servem de indício para um possível caminho exitoso das decisões arquitetônicas utilizadas.

Aprovação do projeto Dom Walmor Oliveira e os Padres José Alves e Célio Diniz. Acervo Arq Eduardo Faust.

Conceitos tradicionais aplicados a arquitetura contemporânea

O formato cruciforme com nave central e naves laterais está presente nas grandes obras da arquitetura sacra, desta influência gerei a volumetria da edificação. Tradicionalmente o que divide as naves são colunas, hoje temos técnicas construtivas que nos permite retirar estas colunas, tornando o espaço adequado a um layout semicircular que atende melhor ao concílio vaticano II.

Planta baixa. Acervo Arq Eduardo Faust.

Cobertura em formato de cruz latina. Acervo Arq Eduardo Faust.

Assim sendo substituí as duas colunatas centrais por duas vigas mestras que seguem o vão da entrada até dois pilares que emolduram o presbitério, nestas vigas mestras apoiei a cobertura das naves laterais e central. Também apoiei nas vigas mestras as duas vigas secundárias que formam o transepto, e outras duas vigas do transepto nos pilares do presbitério.

Sistema estrutural da cobertura. Acervo Arq Eduardo Faust.



Retorno do edifício catequético

Pouco antes de morrer, o Frei Antônio, um dos doutores da Igreja, já doente com falta de ar pediu que armassem sua cela (dormitório) no topo de uma nogueira frondosa, para que lá fizesse seus sermões e suas reflexões a seus irmãos franciscanos. A nogueira tornou-se um de seus símbolos. Com a solução estrutural consegui diminuir o vão das coberturas possibilitando o uso de estrutura de madeira na nave central. Desenhei dois tipos de treliças diferentes que vistas em sequência formam um emaranhado geométrico de madeira, simbolizando o entrelaçamento dos galhos da nogueira de Santo Antônio.

 
Ícone de Santo Antônio na Nogueira no Santuario del Noce em Pádua, Itália. (Veronese, 1530)

Espaço depois do Concílio Vaticano II

Ao centro no encontro das duas hastes da cruz está o altar e o crucifixo que suspenso no ar é visível em toda obra. A assembleia é convidada ao grande banquete pascal, reunida em torno da mesa da eucaristia referenciando as celebrações do início da Igreja, assim como este conceito todo mobiliário litúrgico e as relações dos espaços internos estão em conformidade aos documentos do concílio vaticano II.

Altar. Acervo Arq Eduardo Faust.

 
Corte. Acervo Arq Eduardo Faust.


Estrutura da cobertura Acervo Arq Eduardo Faust.

No piso aproveitando o formato de cruz utilizei uma exegese bíblica em que do altar ao centro da Igreja brotam os quatro rios do paraíso e dão origem aos oceanos, quatro rios que caminham para os quatro cantos do mundo. O reflexo gerado pelo mármore polido preto simboliza a água e o pequeno deslocamento nos degraus do presbitério cascatas e inundam seus caminhos.

Presbitério Acervo Arq Eduardo Faust.

Gravura de um Missal Romano do século XII, Mosteiro de Zwiefalten, Alemanha. (Campbell, 1974)

Para o mobiliário litúrgico utilizei um forte símbolo franciscano, a letra grega TAU ( τ ). São Francisco de Assis em seus milagres fazia o sinal do Tau sobre os ferimentos. “Com ele ( τ ) selava as cartas e marcava as paredes das pequenas celas” cf.LM4,9;2,9;3Cel3.


A palavra Ambão vem do grego anabaino que significa “subir, elevar-se”, a Palavra que vem do reino dos céus. Seguindo esta interpretação e a tradição do antigo ambão, loquei-o em um patamar mais elevado. Ao centro, a sédia (cadeira da presidência) compõe a tríade litúrgica.
No lado oposto do presbitério a pia batismal faz a simetria com o Ambão. Na abside ao centro a capela do santíssimo expõe o tabernáculo com acesso dos fiéis para oração individual.

Templos e números

Voltando ao formato cruciforme do edifício coloquei a capela do santíssimo na extremidade central, a capela de São Francisco na outra extremidade a capela do padroeiro na outra. Na extremidade restante está o acesso principal. Para criar uma releitura da portada Gótica, coloquei uma sequência de sete (7) arcos ogivais, o número sete (7) é o número perfeito na simbologia cristã, é formado pelo quatro (4) do imanente mais o três (3) do transcendente, a junção do céu com a terra, a merkabah, o momento da consagração da eucaristia.

Presbitério. Acervo Arq Eduardo Faust.

Historicamente os números são utilizados de forma simbólica na arte e na arquitetura sacra, além do descrito acima, a primeira parte da Igreja (antes do transepto) aonde está a assembleia tem doze (12) pilares, dos doze (12) apóstolos, das doze (12) tribos de Israel. As três (3) capelas das extremidades da cruz simbolizam os três (3) nós do cordão do hábito dos franciscanos e os seus três (3) conselhos evangélicos (pobreza, obediência, castidade). As duas colunas principais que sustentam as vigas mestras, simbolizam os pilares da Igreja, São Pedro e São Paulo.


Capela Lateral. Acervo Arq Eduardo Faust

Doze pilares. Acervo Arq Eduardo Faust

O desenho que fiz nas folhas da porta simbolizam tanto a nogueira quanto o símbolo dos doutores da Igreja — o lírio. Acima da portada estão os arcos que definem a fachada. A hóstia no formato de um círculo é hoje um símbolo forte para os fiéis, sendo assim desenhei um arco ogival finalizado em uma cruz celta (cruz do sol nascente — que possui um círculo ao centro), nos remetendo ao gesto do sacerdote na consagração da eucaristia.


Sacerdote e a consagração da eucaristia. Festa nacional da divina misericórdia (2017).

Fachada. Acervo Arq Eduardo Faust.

Acervo Arq Eduardo Faust.

Conclusões

Assim concluo que para uma arquitetura sacra contemporânea o arquiteto deva buscar na história da arte e da arquitetura sacra os referenciais, adequando-os as novas técnicas construtivas, ao espaço litúrgico pós concílio vaticano II e aos orçamentos limitados das paróquias.

Dados do projeto

Arquidiocese de Belo Horizonte — Paróquia Santo Antônio.
Localização: Bairro, Venda Nova. Cidade, Belo Horizonte. Estado, Minas Gerais. País, Brasil.
Pároco: José Alves de Deus.
Autor: Arquiteto Eduardo Faust.
Colaboradores: Egvar Hermann; Gustavo da Luz; Renato Campos.
Projeto luminotécnico: FAUST Arquitetura e Engenharia.
Área construída: 1.700,00 m².
Área do terreno: 4.514,00 m².
Ano do projeto: 2016.


Referencias bibliográficas

Benitez, C.P. (2009) Arquitectura de templos sagrados. Barcelona: Reditar.

Besen, J.A. (2007) História da igreja. São Paulo: Mundo e Missão.

Campbell,  J. (1974)  The Mythic Image. Princeton: Princeton University Press.

Casel, O. (1935). O mistério do culto no cristianismo. São Paulo: Loyola.

CNBB (2010). Diretório de liturgia.

CNBB (2017) Guia litúrgico pastoral. (3a ed.).

Festa nacional da divina misericórdia (2017). Recuperado a partir de http://misericordia.org.br/site/wp-content/uploads/2017/05/festadamisericordia2017-comunh%C3%A3o.jpg

Frade, G. (2007) Arquitetura sagrada no Brasil. São Paulo: Loyola.

Gombrich, E.H. (1993). A história da arte. Rio de Janeiro: LTC. (15a ed.).

Lutz, G. (2009) História geral da liturgia. São Paulo: Paulus.

Melo, J.R. (2011) A missa e suas partes. São Paulo: Paulinas.

Menezes, I.P. (2006) Bens culturais da igreja. São Paulo: Loyola.

Pastro, C. (2008) O deus da beleza. São Paulo: Paulinas.

Pastro, C. (2010) A arte no cristianismo: fundamentos, linguagem, espaço. São Paulo: Paulus.

Sanchez, W. e Passos, J.D. (2015) Dicionário do concílio Vaticano II. Paulinas: Paulus.

Scomparim, A.F. (2008) A iconografia na igreja católica. São Paulo: Paulus.

Silva, F.J.A. da (2007) Os elementos fundamentais do espaço litúrgico para a celebração da missa. São Paulo: Paulus.

Veronese, B. (1530) Santo Antônio pregando sobre a nogueira no Santuario del Noce. Pádua (Jack Wintz, OFM)

Vaticano (1963) Concilio ecumênico Vaticano II: sacrosanctum concilium.

Vaticano (1964) Sagrada congregação para os ritos: instrução inter oecumenici.

Vaticano (1967) Sagrada congregação para os ritos: instrução eucharisticum mysterium.

Vaticano (1970) Sagrada congregação para o culto divino: instrução liturgicae instarationes.

Vaticano (1973) Ritual de penitência.

Vaticano (1973) Ritual romano: a sagrada comunhão e o culto eucarístico fora da missa.

Vaticano (1980) Sagrada congregação para os sacramentos e para o culto divino: instrução inaestimabile donum.

Vaticano (1981) Missal romano: elenco das leituras da missa.

Vaticano (1983) Código de direito canônico.

Vaticano (1984) Ritual de dedicação de Igreja e de altar.

Vaticano (1999) Ritual romano: ritual de bençãos ritual do batismo de crianças.

Vaticano (2002) Missal romano: instrução geral sobre o missal romano.

Vaticano (2004) Congregação para o culto divino e a disciplina dos sacramentos: instrução redemptiones sacramentum.

Vaticano (2005) Catecismo da igreja católica.


__________________________________

LINK PARA O ARTIGO EM PDF:
http://www.arquitecturaycultura.com/assets/articulo5.pdf

LINK PARA A REVISTA:
http://www.arquitecturaycultura.com/







Nenhum comentário:

Postar um comentário